EMPREGO: Setor calçadista de Franca vê leve recuperação nas vagas de Agosto

02/10/2020

Números confirmam que aos poucos a indústria calçadista de Franca voltou a empregar, de forma tímida mas consistente







EMPREGO: Setor calçadista de Franca vê leve recuperação nas vagas de Agosto



Apesar da situação econômica do país ainda estar crítica, já vemos sinais de uma reação do setor calçadista mais consistente. Pelo 3º mês consecutivo, Franca vê crescer o número de vagas de emprego na indústria calçadista. O saldo CAGED de Agosto para Franca foi positivo com 272 vagas, um aumento de 137% em relação a Julho de 2020, que obteve resultado positivo de 101 vagas. Comparado a Agosto/2019, quando tivemos um saldo negativo de -53 vagas, o saldo de Agosto de 2020 foi 119,5% maior.



Apesar desse lado positivo, no estoque de empregos, o setor calçadista de Franca tem muito a recuperar ainda: em Agosto de 2019 tínhamos 17.564 pessoas empregadas, já em Agosto de 2020 são apenas 10.184, queda de 42%. Mas a indústria vem se movimentando, se recriando e buscando oportunidades de negócio ainda não exploradas. A criatividade e a necessidade sempre acompanharam nossos persistentes empresários e agora, mais do que nunca essas qualidades vem se destacando.  



No cenário calçadista nacional, vemos também uma recuperação em curso: no Brasil em Agosto tivemos um saldo positivo de 6.285 vagas e no Estado de SP foram 529 vagas. Mas o estoque total de empregos ainda é de 236.082 funcionários no setor calçadista brasileiro, queda de 13,6% em relação ao mesmo período de 2019. E o Estado de SP está com 27.071 empregados no setor em Agosto de 2020, queda de -22,2% em relação ao ano passado.



“Esperamos que os próximos atos do Ministério da Economia ajudem a acelerar a recuperação dos empregos do setor, especialmente com liberação de linhas de crédito e incentivos para a exportação de calçados, aproveitando a boa fase do dólar”, disse o presidente do Sindifranca, José Carlos Brigagão do Couto.



Baixe a estatística completa, clicando AQUI.




Fonte: Sindifranca