Negociações Salariais

Voltar
NEGOCIAÇÃO SALARIAL 2016 | Boletim informativo 31/03/2016
NEGOCIAÇÃO SALARIAL | Boletim informativo nº 3
 
Caro calçadista,
 
1 – Os empresários calçadistas de Franca se reuniram em assembleia no dia 29/03/16 e decidiram, a título de antecipação, repassar o reajuste salarial de 9,5% (nove e meio por cento) a ser aplicado sobre os salários do mês de fevereiro na folha de pagamento do mês de março de 2016. O índice de reajuste deverá ser aplicado até que as negociações sejam concluídas.
2 – Esta medida tem como objetivo garantir aos trabalhadores e às empresas a tranquilidade e manutenção da produção e do reajuste salarial. A antecipação ocorre mediante o impasse em que se encontra a negociação salarial, face a intransigência da diretoria do Sindicato dos Sapateiros que continua exigindo o mesmo absurdo, exorbitante e impraticável reajuste de 25% após 35 dias de negociações.
Pelo menos três propostas de índices de reajuste foram apresentadas pelos calçadistas durante a série de reuniões com os representantes da classe trabalhadora. Mas, lamentavelmente, o Sindicato dos Sapateiros não apresentou se quer uma contraproposta viável e reafirmou sua posição em ofício enviado hoje (30/3) ao SINDIFRANCA, com o pleito de 25% de reajuste.
3 – Desde 2006, as indústrias calçadistas de Franca têm mostrado que reconhecem a importância de seus trabalhadores e concederam reajustes salariais e correções do piso salarial sempre acima da inflação, portanto 10 anos. 
Porém, neste momento extremamente difícil que enfrenta a indústria calçadista, com a retração da economia nacional, a redução da produção, do emprego e das exportações, não há como viabilizar um reajuste nos patamares solicitados.  
A expectativa de vendas e de produção para este ano é de apenas 26 milhões de pares, frente a capacidade instalada de 40 milhões de pares. Assim, o momento é de se preocupar com a preservação do emprego.
4 – Por fim, chamamos a atenção das empresas associadas e não associadas para que NÃO TOMEM nenhuma ação diferente da orientação do SINDIFRANCA. É em momentos difíceis como este que temos de nos unir e manter a hegemonia setorial para garantir a sobrevivência das indústrias e do emprego.

Atenciosamente,
A Diretoria do Sindifranca