Sapatos de Cristiano Ronaldo

18/02/2015
Sapatos CR7 estreiam em Milão, mas têm lançamento mundial cancelado. Coleção Outono/Inverno prima pela sofisticação. O vídeo promocional deverá ser conhecido nos próximos dias.
Sapatos de Cristiano Ronaldo
Estava para ser um grande lançamento mundial. Em Milão, na maior feira do calçado do mundo, estava ontem tudo preparado. O stand apresentava vários modelos da colecção Outono/Inverno 2015. O vídeo de Cristiano Ronaldo, com mais de um minuto, a dançar - tal como Michael Jackson no ‘Thriller' -, calçado com vários modelos da colecção passava num ecrã. E devia seguir logo pela manhã para a Internet, o meio escolhido para promover a marca CR7 Footwear a nível global. Mas faltou a autorização. 
Segundo apurou o Diário Económico (POR), a Gestifute - a empresa de Jorge Mendes que gere a carreira de jogadores - impediu a divulgação do vídeo e das informações sobre a colecção. A má atuação do jogador português no sábado, no jogo contra o Desportivo da Corunha, no qual o Real Madrid venceu com dois golos, terá sido a razão. A este motivo soma-se também a controvérsia à volta da festa de aniversário dos 30 anos do jogador.
Mas a colecção segue o seu caminho. Vários modelos de sapatos e botas para homem e mulher estão até terça-feira na Micam, feira internacional de calçado, à espera de ordens de encomenda de parte dos cerca de 40 mil visitantes oriundos de várias geografias do mundo, que por estes dias aterram em Milão. Os sapatos para homem apostam no couro, num estilo discreto, mas sofisticado. Já as amostras para mulher têm mais glamour. Na terça-feira, é a vez de se apresentar na Magic Las Vegas, mas já sob a marca Cristiano Ronaldo. É que a marca CR7 nos EUA já foi registada pelo norte-americano Christopher Renzi, que nasceu a 7 de Outubro, e já levou a CR7 Underwear a tribunal.
Marca tem vida difícil
A marca CR7 vale mais de 54 milhões. O IPAM - The Marketing School divulgou em Janeiro um estudo que revelava que a marca tinha mais do que duplicado o seu valor desde 2011, devido essencialmente aos feitos futebolísticos do jogador português e à sua exposição na Internet. Mas esse potencial ainda não chegou ao mundo dos negócios, ao contrário do que sucede com o antigo jogador britânico David Beckman. Enquanto negócio, a marca CR7 tem enfrentado algumas dificuldades. Chegou a brilhar em quatro lojas de vestuário - Funchal, Lisboa, Vilamoura e Luxemburgo -, mas o insucesso marcou o projecto, restando actualmente um único espaço comercial, na terra natal do jogador. Chegou-se também a avançar com a possibilidade da abertura de um hotel da marca, na Madeira, mas para já não passou de uma ideia.
Já a imagem de Cristiano Ronaldo tem gerado milhões. Foram os contratos com a Pepe Jeans, com a Adidas ou com o extinto BES, para citar apenas alguns exemplos. Jorge Mendes, o empresário e gestor de imagem de Cristiano Ronaldo, também gostaria de ver a marca CR7 ganhar espaço e vencer no mercado internacional. E nesse confluir de interesses surgiu a oportunidade de alargar a marca ao calçado. A experiência com a CR7 Underwear e, mais recentemente, com a CR7 Shirts, deu fôlego para novas experiências.
Como confidenciou fonte do sector do calçado em Portugal, "as tentativas de Cristiano Ronaldo com a marca não correram da melhor forma" e surgiu a ideia de aliar "a qualidade do calçado português e Cristiano Ronaldo". A família Gonçalves, proprietária da Portugal Footwear, e Jorge Mendes estabeleceram contactos e decidiram explorar a marca CR7 em sapatos totalmente fabricados em Portugal. Afinal, "o calçado português têm ganho forte notoriedade internacional e era uma oportunidade juntar dois símbolos" portugueses, diz a mesma fonte.
Sempre num ambiente de sigilo absoluto, a Portugal Footwear garantiu os direitos de comercialização da CR7 Footwear, responsabilizando-se pelo design e fabrico. A empresa de Guimarães já tem cerca de dez fabricantes de sapatos em Portugal a trabalhar para a marca CR7, desde indústrias especializadas em sapatos de luxo com base em couro a fábricas dedicadas à produção de ‘sneakers' (ténis). A Portugal Footwear não quer desvendar o nome dos parceiros industriais e os produtores estão sujeitos a confidencialidade, mas é já público que a Donaire (calçado casual), a Profession Bottier (sapatos de luxo) e o grupo Pedreira (sapatos de média e alta qualidade) trabalham no projecto.